Cinema & TV

Sonia Braga brilha na abertura do Festival de Gramado e dispara contra o governo: “Não custa repetir que é golpe, criar esse precedente é um crime”

Além de passar sorridente no tapete vermelho do evento, a atriz de 66 anos ainda foi premiada com o Troféu Oscarito por sua obra e dedicação às artes

Publicado em 27 de agosto de 2016 | Por Leonardo Rocha

A abertura da 44ª edição do Festival de Cinema de Gramado foi marcada pelo brilho da atriz Sonia Braga. Exuberante, ela e parte do elenco do filme “Aquarius”, de Kleber Mendonça Filho, desfilou no tapete vermelho para dar início à sessão de um dos longas nacionais mais esperados do ano. Diferentemente de Cannes, onde atores e diretores da produção protestaram contra o governo do presidente interino Michel Temer, a passagem da equipe foi tranquila e recheada de sorrisos e brincadeiras feitas pela nossa musa maior do cinema. Tudo corria bem, até que pouco antes da exibição de “Aquarius”, a plateia ensaiou um caloroso coro de “fora Temer”, logo abafado pelos aplausos que entoaram a entrada triunfal de Braga que, além de divulgar o novo trabalho, ainda foi homenageada com o Troféu Oscarito por sua obra e dedicação às artes desde 1968, quando estreou nas telonas em “O Bandido da Luz Vermelha”.

Sonia Braga é a grande homenageada da abertura da 44ª edição do Festival de Cinema de Gramado (Foto: Edison Vara/Pressphoto)

Sonia Braga é a grande homenageada da abertura da 44ª edição do Festival de Cinema de Gramado (Foto: Edison Vara/Pressphoto)

Em entrevista ao HT, ela comentou a importância de dar o pontapé inicial no festival com um filme que não está concorrendo a nenhuma estatueta do Kikito – prêmio e símbolo máximo do evento da Serra Gaúcha. “Essa é a homenagem mais linda que já recebi na vida. É especial, porque estamos abrindo o festival e nem mesmo estamos concorrendo. É uma grande responsabilidade para a nossa equipe. E esse é um filme que, além de amor, também fala de política e democracia. E definitivamente não estamos no momento de nos calar. Não custa repetir que é golpe. Criar esse precedente no país é um crime”, afirmou, completando. “É um filme sobre o amor de uma mulher pela cidade, pela família. E acho que isso cria certa polêmica. Porque na realidade a política é invisível no filme. A política no filme é sobre os direitos de uma cidadã. Eu estou com muito dificuldade de me separar dessa equipe e da Clara” comentou ela, falando de sua personagem. “Ela é intensa”, disse.

Equipe de Aquarius posou para fotos no tapete vermelho de Gramado (Foto: Edison Vara/Pressphoto)

Equipe de Aquarius posou para fotos no tapete vermelho de Gramado (Foto: Edison Vara/Pressphoto)

Já no palco, Sonia Braga foi surpreendida ao receber o prêmio das mãos do amigo Bruno Barreto, que a dirigiu em “Dona Flor e Seus Dois Maridos”. Espirituoso, ele, que revelou ter se escondido dela pela cidade, ainda fez uma brincadeira com a atriz: “Se o Kleber e eu fôssemos seus dois maridos, quem seria o Vadinho?”, perguntou ele. “É difícil, ele é nordestino, acho que seria ‘Dona Flor e seus dois Vadinhos'”, respondeu Sonia, muito diplomática. “Eu queria fazer meu terceiro filme com ela, mas você, Kleber, saiu na frente”, lamentou Barreto. Além do troféu, a atriz de 66 anos, que vive nos Estados Unidos e volta agora à cena do cinema nacional, recebeu três homenagens em vídeo: do diretor Cacá Diegues, de Caetano Veloso e da amiga Renata Sorrah. Ao HT, o Barreto também falou sobre as polêmicas que envolveram o ministério da Cultura e a classe artística. “A abertura das Olimpíadas no Rio vieram para mostrar o poder que a nossa cultura tem. Além dos competidores, aqueles artistas todos trouxeram uma autoestima tremenda para a população em apenas três horas de apresentação na cerimônia de abertura. Acho importantíssimo que todos se manifestem da maneira que acharem melhor”, disse.

Sônia Braga e Bruno Barreto no Festival de Cinema de Gramado (Foto: Edison Vara/Pressphoto)

Sônia Braga e Bruno Barreto no Festival de Cinema de Gramado (Foto: Edison Vara/Pressphoto)

E a noite estava só começando. Durante toda a programação, o diretor Kleber Mendonça Filho evitou menções diretas ao governo, mas comentou as polêmicas que têm cercado o filme, como o possível boicote na seleção para o Oscar e a classificação indicativa elevada, considerada censura pela equipe. Ele ainda elogiou Sônia Braga e sugeriu, educadamente, que seu projeto sustenta os ideais “de democracia e cidadania”. “Sonia sempre fez parte da minha vida e de fato foi um processo muito rápido. Não só por ela filmar tudo em oito semanas a repercussão ligeira que tivemos e hoje já estamos em Gramado. O convite de estar aqui surgiu logo depois de Cannes”, disse, que pincelou as polêmicas. “Foi um protesto democrático. O Brasil está passando por um momento político muito delicado e nós, cidadãos, temos todo o direito de nos posicionar”, comentou.

Kleber Mendonça Filho (Foto: Divulgação)

Kleber Mendonça Filho (Foto: Divulgação)

E quando questionado sobre a classificação indicativa ele foi enfático: “Eu não concordei com a faixa etária ser de 18 anos, acho absolutamente excessivo e muito raro no Brasil. Não tenho nenhuma informação sobre uma perseguição política, mas acho tudo muito suspeito”, revelou. No entanto, vale lembrar que no decorrer do filme, cenas fortes de sexo entre os atores e enquadramentos de nu frontal são recorrentes na produção. Além de Sonia aparecer diversas vezes com os seios à mostra, o ator pernambucano Allan Souza Lima, que aparece completamente nu no filme, também não entendeu aquilo que chamou de “boicote”. “Eu fiquei super tenso quando descobri que iria ficar pelado ao lado da Sonia, mas acho que as cenas são de muito bom gosto e com propósito dentro do enredo do filme. Essa história da faixa etária é intriga da oposição”, avaliou.

Atriz Sônia Braga, recebe o Troféu Oscarito (Foto: Edison Vara/Pressphoto)

Atriz Sônia Braga, recebe o Troféu Oscarito (Foto: Edison Vara/Pressphoto)

Quem também estava presente na abertura do Festival foi o ministro da Cultura, Marcelo Calero, que derramou elogios ao filme que abriu o festival. “Estamos aqui prestigiando o cinema brasileiro e Festival de Gramado que é uma referência mundial. A gente vai assistir a um produto da excelência cultural brasileira que é ‘Aquarius’. Polêmicas à parte, porque isso faz parte do jogo democrático e da vivência artística, a Sonia fez um ótimo trabalho e Kleber demostrou grande sensibilidade. E confesso que tenho uma tarefa muito difícil pela frente, porque nós temos uma safra de filmes excelentes. Eu não queria estar na pele de nenhum dos membros da comissão”, disse ele. No entanto, pouco antes do filme, ele fez um pequeno discurso de apresentação, mas foi vaiado pelo público com gritos de “golpista” e “manda nudes”. Questionado sobre a situação, ele saiu pela tangente e preferiu não comentar o caso.

Equipe do filme "Aquarius" (Foto: Edison Vara/Pressphoto)

Equipe do filme “Aquarius” (Foto: Edison Vara/Pressphoto)

Polêmicas à parte, um dos responsáveis pelo evento, o mais popular dos críticos de cinema do país, o “homem Oscar”, Rubens Ewald Filho, que assina a curadoria da tradicional mostra competitiva ao lado de Eva Piwowarski e de Marcos Santuário, falou sobre a pluralidade das atrações 44ª edição do Festival de Cinema de Gramado. “Esse ano houve uma mudança qualitativa muito grande, porque os filmes vieram atrás da gente. Esse filme (‘Aquarius’), veio com a Sonia como a cereja do nosso bolo, porque juntamos a exibição com a premiação dessa diva da nossa cultura. A gente precisa celebrar as pessoas. A nossa memória é muito curta”, ponderou ele. “Esse ano temos uma série de coisas diferentes como filmes latinos, que é uma novidade total aqui no nosso festival. E deles, inclusive tem a temática LGBT”, disse ele.

Sônia foi recepcionada pelo crítico e curador do Festival, Rubens Ewaldo Filho (Foto: Edison Vara/Pressphoto)

Sônia foi recepcionada pelo crítico e curador do Festival, Rubens Ewaldo Filho (Foto: Edison Vara/Pressphoto)

Outra grande novidade que fez parte da inauguração do evento foi a abertura do Museu do Festival de Cinema. O empreendimento está localizado anexo ao Palácio dos Festivais, ao lado da Igreja São Pedro, e mistura tecnológico com um acervo de mais de quatro décadas. O espaço é um projeto inédito no Brasil. “Eu nunca tinha me dado conta que esse é o único museu de cinema no país. O que é uma loucura. O Rio de Janeiro não ter um patrimônio desse, por exemplo. é um absurdo. Assim como muita coisa nesse país”, comentou Rubens. O acervo é fruto de uma pesquisa que durou quatro meses, e resgatou arquivos históricos do festival.

Museu do Festival de Cinema é único ligado a Festival de Cinema no país (Foto: Edison Vara/Pressphoto)

Museu do Festival de Cinema é único ligado a Festival de Cinema no país (Foto: Edison Vara/Pressphoto)

No local também estão espalhados totens eletrônicos com ferramentas de pesquisa e games, como jogo da memória e um quiz sobre o evento. Nem tudo, porém, está pronto. Ainda há equipamentos para serem ligados e a intenção de construir estátuas de cera de artistas representativos como Maitê Proença, Zezé Motta e Lima Duarte, que já estão em fase de confecção para serem apresentados no início do ano que vem.

Além de Sônia Braga, outros artistas serão homenageados e têm presença garantida no festival. O cineasta José Mojica Marins, conhecido como Zé do Caixão, receberá o Eduardo Abelin, que é entregue como reconhecimento a diretores, produtores e técnicos pelo trabalho desenvolvido em prol do cinema brasileiro. A atriz argentina Cecilia Roth, famosa por estrelar as obras de Pedro Almodóvar, será homenageada com o Kikito de Cristal. Já o troféu Cidade de Gramado será dado na noite deste sábado ao ator Tony Ramos, na noite que contará com a exibição inédita do filme “Elis”, estrelado por Andreia Horta.

Pesquisas relacionadas