Cinema & TV

20º Brazilian Film Festival of Miami: “Encantados”, de Tizuka Yamasaki, abre a temporada que tem curadoria especial das organizadoras Adriana e Cláudia Dutra e Viviane Spinelli

O mais tradicional festival de cinema brasileiro realizado no exterior é uma referência na divulgação do cinema nacional e, nessa edição, visa jogar o holofote sobre as questões do empoderamento feminino no audiovisual e, com isso, gerar debate em torno da igualdade da posição da mulher na sociedade.

Publicado em 18 de setembro de 2016 | Por Heloisa Tolipan

Foi em grande estilo a largada da vigésima edição do Brazilian Film Festival em Miami, sábado, dia 17. O mais tradicional festival de cinema brasileiro realizado no exterior – organizado pelas irmãs Adriana e Cláudia Dutra + a sócia Viviane Spinelli através da Inffinito Produções – é uma referência na divulgação do cinema nacional e exibe um panorama diversificado da mais recente produção audiovisual brasileira para todo o mundo, fomentando, assim, a indústria a nível global. Pois bem, filmes inéditos e premières tomarão conta de Miami Beach até o próximo dia 24, quando haverá uma noite de encerramento para lá de badalada no Colony Theatre.

Directors of the BRAFF Miami Viviane Spinelli, Claudia Dutra, Adriana Dutra

As sócias do Circuito Inffinito de Festivais, Viviane Spinelli, Cláudia e Adriana Dutra (Foto: Reprodução)

A história da Inffinito começou lá atrás, em 1995. Enquanto passava um período em Miami, Adriana se juntou à irmã, Cláudia Dutra, e a Viviane Spinelli e elas criaram o Brazilian Film Festival of Miami. O sucesso foi tanto que o evento tornou-se oficial na cidade e fez com que as três firmassem de vez nos Estados Unidos a chancela do cinema brasileiro. “Minha formação é em artes cênicas com pós em direção. Eu estava em Londres fazendo um curso, em 1994, e ia voltar para o Brasil, mas a minha irmã morava em Miami e eu fui visitá-la. Eu tinha feito curso de direção para espetáculo, não cinema, mas foi a época do (Fernando) Collor aqui no Brasil e o meu grupo de teatro dizia para eu não voltar, porque era um momento muito difícil para a cultura. Fiquei em Miami e fundei a Inffinito com a Cláudia e a Viviane. Essa escala mudou a minha vida completamente”, contou Adriana.

Leia também: Adriana Dutra fala sobre tempo em doc e declara: “Estamos doentes com a vida conectada e multifacetada que não se desliga nunca”

Adriana Dutra e Viviane Spinelli

Adriana Dutra e Viviane Spinelli

Pois bem, de lá para cá, 20 anos se passaram. “É uma superemoção. O nosso festival surgiu antes da retomada do cinema brasileiro. O primeiro foi em 1997 e nós não sabíamos o que esperar, não havia quase internet e não tínhamos ideia de como as pessoas iam receber o cinema brasileiro. Teve fila na porta da Universidade de Miami e, a partir daí, fomos convidadas para compôr o calendário oficial da cidade. Foi crescendo e, hoje, é o maior festival de cinema brasileiro no exterior e também um ponto de venda de filmes – já que é por meio dos festivais que fazemos conexões. Passaram diversos governos na nossa vida e todos sempre nos apoiaram. Os americanos reconhecem a importância do cinema brasileiro e seu impacto social na cidade”, disse Adriana.

A fila por um ingresso em frente ao Colony Theatre para a cerimônia de encerramento do 19º Brazilian Film Festival of Miami (Foto: Bella Tavares)

A fila por um ingresso em frente ao Colony Theatre para a cerimônia de encerramento da edição passada do Brazilian Film Festival of Miami (Foto: Bella Tavares)

Através de mostras audiovisuais e eventos musicais, o Braff tem como objetivo expandir a audiência do cinema brasileiro gerando uma transformação individual e coletiva. Composto pelas Inffinito Núcleo de Arte e Cultura, Inffinito Eventos e Produções, Inffinito Entretenimento e Comunicações (Brasil) e Inffinito Foundation (EUA), o Grupo Inffinito promove e difunde a produção cultural brasileira, tanto no Brasil quanto no exterior, promovendo eventos em países como Estados Unidos, Uruguai, Chile, Nova York e Argentina “Miami era carente de cultura e eu vi que existia uma oportunidade para trabalhar a imagem do Brasil. Abrimos a Inffinito em 1995 e fizemos shows, exposições, eventos”, lembrou.

Os atores Suzana Pires e Fabrício Boliveira se unem a Adriana Dutra para atender à imprensa internacional durante o 19º Brazilian Film Festival of Miami (Foto: Heloisa Tolipan)

Os atores Suzana Pires e Fabrício Boliveira se unem a Adriana Dutra para atender à imprensa internacional durante o 19º Brazilian Film Festival of Miami (Foto: Heloisa Tolipan)

Leia também: Circuito Inffinito de Cinema lança o projeto “Cine Pedal Brasil”, que promove exibição de filmes através de energia limpa. Vem entender!

Em 2003, as três sócias deram mais um grande passo. Produziram o 1º Festival de Cinema Brasileiro de Nova York. Três anos depois, deram início ao Cine Fest Brasil-Barcelona, consolidando assim o Circuito Inffinito de Festivais, que em 2007 passou por Miami e Nova York, nos EUA, Barcelona, na Espanha, e Frascatti, na Itália. Em 2008, o Circuito foi realizado em Canudos, na Bahia, Buenos Aires, Madri, Miami, Roma, Milão, Nova York, Vancouver e Barcelona.

Plateia lota o Colony Theatre na cerimônia de encerramento do 19º Brazilian Film Festival of Miami (Foto: Bella Tavares)

Plateia lota o Colony Theatre na cerimônia de encerramento do 19º Brazilian Film Festival of Miami (Foto: Bella Tavares)

Comemorando seu vigésimo ano, a curadoria de 2016 foi realizada especialmente por suas diretoras e fundadoras: Adriana L. Dutra, Cláudia Dutra e Viviane B. Spinelli que selecionaram os filmes da Mostra Competitiva de Longas Metragens da Mostra Diretoras Brasil – a última, a fim de dar foco ao empoderamento feminino no audiovisual e, com isso, gerar debate em torno da igualdade da posição da mulher na sociedade.

Leia também: 19º Brazilian Film Festival of Miami: foi dada a largada para uma das mais importantes maratonas do cinema brasileiro no exterior

Como não poderia deixar de ser: abertura foi para lá de especial. Teve como cenário o New World Symphony, com a exibição do filme “Encantados”, da diretora Tizuka Yamasaki, a grande homenageada desta edição, representando todas as mulheres do cinema brasileiro.

Este slideshow necessita de JavaScript.

A história gira em torno de Zeneida, que se apaixona pela primeira vez na ilha de Marajó e se embrenha na profundidade da floresta dos seus ancestrais até que, um dia, tem que decidir se vai viver a paixão com Antônio ou se tornar uma pajé. “Foram dez anos para concluir o processo de produção e é muito emocionante estar aqui, nos Estados Unidos, e o filme ser entendido por uma plateia miscigenada”, nos declarou Tizuka. De fato: foi a céu aberto, na parede lateral de concreto do prédio, que tanto americanos como brasileiros puderam conhecer a história de amor desenvolvida por Tizuka.

Este slideshow necessita de JavaScript.

“Eu não escolhi, como sempre faço, realizar um filme sobre a pajé Zeneida Lima. Eu fui escolhida por ela.  A pajé desconhece o universo cinematográfico ou televisivo, para saber quem é quem.  Ela me escolheu porque, em algum lugar, confiou nas energias que viu em mim como alguém capacitada para falar, cinematograficamente, sobre sua vida como pajé.  O filme é este que vocês vão ver, os “Encantados”.

Por meio de rituais, Zeneida faz uso de suas energias na sua luta para garantir a salvação do planeta. Mas nesta lua, os Caruanas disseram a ela pra se aquietar e não sair da floresta. Como sempre, obedeceu, não veio ao festival.

 Zeneida queria ser advogada, mas foi predestinada a ser pajé – para curar aqueles que a procuram dos males de quem está desequilibrado com a natureza, seja no reino animal, vegetal ou mineral. Como pajé, ela tem o conhecimento dos remédios encontrados na floresta. E, na aproximação da Lua Cheia, ouve musicas – imediatamente anotadas, para usar nos rituais de cura. 

 Incansavelmente,  Zeneida Lima e sua família, mantém uma escola de ensino fundamental com cerca de 300 crianças das comunidades abandonadas de Soure da  Ilha do Marajó –  alfabetizando-as e fazendo-as entender que a natureza sempre as protegerá se por elas for protegida. A pajé reforça o valor da cultura dos seus antepassados,  devolvendo-lhes auto- estima, preparando-as para percorrer um caminho de vida mais livre da opressão da sociedade moderna, sem espaço para perceber a importância da natureza. 

 Tendo consciência que a Pajelança Indígena está em extinção, Zeneida, com seus 82 anos, luta dia e noite para preservar seu conhecimento.   Ela não quer se encantar sem cumprir mais uma  missão: realizar o museu da Pajelança Indígena.   

Que os espíritos da floresta  continuem  protegendo este  inestimável tesouro  chamado Zeneida Lima.  Salve a natureza!”

Este slideshow necessita de JavaScript.

A partir desse domingo, 18, a Mostra Paralela exibe, na Miami Beach Cinemathèque, filmes como “Jonas” de Lô Politi, “Marias” de Joanna Mariani e “Pequeno Dicionário amoroso 2” – uma sequência do filme que foi o vencedor do 1o BRAFF Miami em 1997 – com foco no empoderamento feminino no mercado audiovisual e, com isso, promover o debate em torno da igualdade da posição da mulher na sociedade.

14350912_1263839580313128_1422326325_n(1)

A abertura da 20ª edição do Brazilian Film Festival (Foto: Reprodução/Instagram)

Leia também: Consagração do cinema brasileiro: “Loucas para casar” vence o 19º Brazilian Film Festival of Miami e “Que horas ela volta?” tem recorde de público

Já a Mostra Competitiva rola entre quarta-feira, 21, e sábado, 24, no Colony Theater, trazendo um leque de gêneros que mostra a versatilidade e a qualidade do cinema nacional. Entre os destaques, filmes como “Um namorado para minha mulher”, que será apresentado pela atriz Ingrid Guimarães e pela diretora Julia Rezende e os aguardados dramas “Chatô”, “Campo Grande” e “Mais forte que o mundo – a história de José Aldo”, sobre o lutador de MMA brasileiro. Na noite de encerramento, dia 24 de setembro, será anunciado o vencedor do prêmio “Lente de Cristal” de melhor filme pelo público seguido pela exibição do premiado filme “Nise – O Coração da Loucura”, que fechará o evento.

14295338_1123322504370298_839964586_n

O filme “Encantados” na abertura do Brazilian Film Festival (Foto: Reprodução/Instagram)

A estimativa é de que cinco mil pessoas passem pelo evento – cerca de 40%  brasileiros e 60% de americanos, latinos e europeus. Nós, é claro, estaremos acompanhando tudo de perto.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Serviço:
INFORMAÇÕES BRAFF MIAMI 2016:
• Noite de abertura: 17/09 – New World Symphony Soundscape
Entrada gratuita
• Mostra Paralela: 18/09 a 20/09 – Miami Beach Cinematheque
Ingressos: $11 (geral), $5 (membro e estudante) e $9 (militar e senior)
http://mbcinema.com
• Mostra Competitiva: 21/09 a 24/09 – Colony Theatre
Ingressos: $10 (geral), $5 (membro e estudante) e $8 (militar e senior) http://colonytheatremiamibeach.com
• Noite de Encerramento,
Premiação Lente de Cristal 24/09 Colony Theatre @ 9pm
Ingressos: $20 (geral) e $10 (membro, estudante, militar e senior) http://colonytheatremiamibeach.com
• Website Oficial: http://www.brazilianfilmfestival.com
• Informações Gerais: 305-600-3347

Programação:
NEW WORLD SYMPHONY SOUNDSCAPE
500 17TH Street, Miami Beach, FL, 33139

17 DE SETEMBRO
7:00pm – Credenciamento e apresentação do DJ Lupa
8:30pm – exibição do filme “Encantados” de Tizuka Yamasaki

CINEMATHEQUE
1130 Washington Ave, Miami Beach, FL, 33139

18 DE SETEMBRO
7PM
PEQUENO DICIONÁRIO AMOROSO 2, de Sandra Werneck e Mauro Farias

9PM
JONAS, de Lô Politi

19 DE SETEMBRO
7PM
MARIAS, de Joana Mariani

9PM
LINDA DE MORRER, de Cris D’Amato

20 DE SETEMBRO
7PM
GERALDINOS, de Renato Martins

9PM
OPERAÇÕES ESPECIAIS, de Tomas Portella

COLONY THEATRE
1040 Lincoln Road, Miami Beach, FL, 33139

21 DE SETEMBRO
7PM
UM NAMORADO PARA MINHA MULHER, de Júlia Rezende

9PM
CHATÔ, O REI DO BRASIL, de Guilherme Fontes

22 DE SETEMBRO
7PM
BIG JATO, de Cláudio Assis

9PM
MAIS FORTE QUE O MUNDO: A HISTÓRIA DE JOSÉ ALDO, de Afonso Poyart

23 DE SETEMBRO
7PM
CAMPO GRANDE, de Sandra Kogut

9PM
ENTRE IDAS E VINDAS, de José Eduardo Belmonte

24 DE SETEMBRO
7PM
TO RYCA, de Pedro Antonio

Pesquisas relacionadas