Teatro & Pensata

Marcos Veras estreia o monólogo “Acorda pra Cuspir”, com um humor ácido e provocador, no Rio: “A comédia é sempre muito bem-vinda na casa dos brasileiros”

O ator ainda lança mais seis longas até o final do ano. Ao lado de Débora Falabella, Veras apostou na sua vertente dramática para o filme "O Filho Eterno". "Para mim, é sempre muito gostoso, curioso e novo fazer algo diferente da comédia"

Publicado em 19 de julho de 2016 | Por Julia Pimentel

“Olhaaa…”. Foi assim que Marcos Veras respondeu quando o HT perguntou sobre seus novos projetos. Portanto, queridos leitores, preparem a lista, porque o ator tem uma avalanche de novidades. No teatro, Veras estreia a sua peça “Acorda pra Cuspir” dia 12 de agosto, no Rio de Janeiro. O espetáculo ficará em cartaz no Teatro Leblon e promete, segundo o ator, pôr as pessoas para pensar. “É um monólogo de humor. Porém, é uma comédia muito mais ácida e provocadora que fala sobre a ambição e a busca incessante pelo sucesso”, adiantou. A peça, com direção de Daniel Herz, é uma montagem a partir do texto do americano Eric Bogosian e aborda temas como política, religião, diferenças sociais, violência e sexualidade.

Marcos Veras estreia a peça "Acorda Pra Cuspir" no Rio de Janeiro em agosto (Foto: Rodrigo Velloni)

Marcos Veras estreia a peça “Acorda Pra Cuspir” no Rio de Janeiro em agosto (Foto: Rodrigo Velloni)

Já nas telonas, Marcos Veras contou que, até o fim do ano, devem estrear seis filmes em que ele marcou presença no elenco. Em setembro, o ator aparece em “Um Namorado Para a Minha Mulher”, ao lado de Ingrid Guimarães, Caco Ciocler, Domingos Montagner, Miá Mello e grande elenco. O longa será uma comédia romântica adaptada de um filme argentino e também já foi feito na Itália e na Coreia. Outro trabalho de Veras no cinema será ao lado de Clarice Falcão e Gregório Duvivier em “Desculpe o Transtorno”. Como Duvivier já tinha adiantado ao HT, o longa narra a vida confusa de um cara que ora assume a personalidade tímida de um paulista, ora incorpora um fanfarrão carioca. Ah, Veras ainda estreia em “Saltimbancos”, “Shaolin do Sertão” e “Festa da Firma”, que foi seu último trabalho gravado, por enquanto.

Veras está no elenco de seis filmes que ainda serão lançados em 2016 (Foto: Ricardo Penna)

Veras está no elenco de seis filmes que ainda serão lançados em 2016 (Foto: Ricardo Penna)

Mas engana-se quem pensa que o ator só está presente em textos de humor. Marcos Veras contou que tem mais um filme a ser lançado esse ano: “O Filho Eterno”. O longa, que também tem Débora Falabella no elenco, é baseado na obra literária do escritor brasileiro Cristóvão Tezza. “É um dramão, nada de comédia. O enredo gira em torno da história de um pai que tem um filho com Síndrome de Down e ele o rejeita por conta da deficiência. Para mim, é sempre muito gostoso, curioso e novo fazer algo diferente da comédia. Já para o público, talvez seja uma surpresa maior. Mas eu acho que será uma novidade positiva, porque, até o momento, as pessoas estavam acostumadas a me ver na comédia, no lugar de fazer rir. Porém, eu sou ator, então, quanto mais trabalhos diferentes eu fizer mais legal será. Esse é o barato da minha profissão”, disse.

Ao lado de Débora Falabella, o ator participa de um enredo dramático em "O Filho Eterno" (Foto: Rodrigo Penna)

Ao lado de Débora Falabella, o ator participa de um enredo dramático em “O Filho Eterno” (Foto: Rodrigo Penna)

Além de todos esses lançamentos, Veras ainda está em cartaz com o filme “Contrato Vitalício”, o primeiro trabalho do Porta dos Fundos para as telonas. Duas semanas após a estreia do filme, o humorista disse que os desdobramentos têm sido “ótimos” e que o público tem aprovado o longa. “Eu estou vendo excelentes repercussões do filme. Eu acho que o público gosta de ver esse grupo junto. Na minha opinião, o Porta dos Fundos é muito querido pelas pessoas e pela mídia, porque eu já li ótimas críticas do filme. O grupo tem uma identificação muito boa com os espectadores. Outro dia eu fui ao cinema com a Julia (Rabello) – que também está no elenco de “Contrato Vitalício” – dar um flagrante e ver o que estavam achando. E as pessoas riram do começo ao fim porque elas curtem muito ver essa galera toda junta. A tendência é a gente fazer cada vez mais filmes”, contou. Podemos esperar novidades do pessoal do Porta então, leitores.

Marcos Veras (Foto: Rodrigo Penna)

Marcos Veras (Foto: Rodrigo Penna)

Sem dúvidas, rir é muito bom. Porém, em tempos de cólera e crises na política, economia e sociedade como um todo, o papel dos humoristas nem sempre fica fácil. Apesar de vivermos em uma época em que a preocupação com o “politicamente correto” assombra qualquer pensamento, Marcos Veras destacou que isso não é de hoje e nem que ficará apenas nos tempos atuais. “A comédia é sempre muito bem-vinda na casa dos brasileiros. Eu acho que a gente sobrevive, porque o brasileiro ainda tem muito bom humor. Apesar de todas as mazelas e crises, nós ainda somos um povo muito bem-humorado. Por isso, eu acho que a comédia é sempre muito bem recebida. E matéria-prima não falta, né? É só abrir o jornal que a gente vê a variedade de assuntos”, argumentou.

E já que Veras adentrou no assunto política e notícias que estamos acompanhando nos jornais nos últimos tempos, o HT foi atrás de descobrir o que o ator pensa desse atual panorama. Já de antemão, Veras adiantou: “Sou otimista”. E completou: “Eu acho que tudo isso que a gente está vivendo é porque nós vamos ultrapassar. Alguma mudança boa vai ter, e eu tenho certeza disso. Talvez demore, ou às vezes nem tanto. Mas, o que está acontecendo agora nunca houve na história. Neste momento nós estamos prendendo vários bandidos, gente poderosa, donos de empresa e etc. É para mudar e é para melhor. Eu sou otimista e acho que dias melhores virão”, declarou o humorista Marcos Veras.

Pesquisas relacionadas