Gente & Comportamento

Julianne Trevisol se prepara para retornar ao teatro com peça que fala sobre um transhomem e dispara: “Eu acho que voltar é imprescindível nesse momento”

A atriz ainda contou que a experiência no programa de Ana Maria Braga a inspirou a investir no mundo da gastronomia. "Eu adoraria inaugurar uma cantina italiana, por exemplo"

Publicado em 6 de setembro de 2016 | Por Julia Pimentel

Parece que o bichinho da culinária picou alguém, não é mesmo, Julianne Trevisol? Participante do Super Chef, quadro do Mais Você (Rede Globo) que ensina celebs a cozinhar, a atriz conversou com o HT e disse que a experiência como mestre cuca está tão incrível que pode até ter desdobramentos futuros na vida da loura. “Eu amo cozinha, só que eu não sabia cozinhar muita coisa, conhecia muito pouco. Agora, eu estou tendo aulas incríveis, workshops com os melhores chefs e estou cada vez mais apaixonada. Estou aprendendo de tudo e pensando em abrir um negócio de cozinha assim que eu puder. Eu adoraria inaugurar uma cantina italiana, por exemplo. Fiquei apaixonada pelo workshop das massas e foi um que eu tirei notas boas. Então, eu fiquei muito tentada a terminar o Super Chef, fazer mais alguns cursos, reformular minha cozinha inteira com todos aqueles utensílios e pôr essa ideia em prática. O programa tem uma estrutura incrível e a gente tem ali o que não teríamos em nenhuma aula de culinária”, contou a loura que é de família italiana. Mamma mia!

A atriz, atualmente, está participando do Super Chef, quadro do Mais Você (Foto: Reprodução)

A atriz, atualmente, está participando do Super Chef, quadro do Mais Você (Foto: Reprodução)

Mas não são só os planos gastronômicos que estão nos projetos de Julianne. A atriz nos contou que ela pretende voltar em cartaz com a peça “Uma Vida Boa”. O espetáculo, que já foi apresentado no Rio de Janeiro em 2014, conta sobre um transhomem que decidiu assumir a sua personalidade. O enredo é baseado na história real do documentário que inspirou o filme “Meninos Não Choram” (2000), de Kimberly Peirce, e aborda questões como a intolerância e a liberdade de ser quem você quer ser. Neste trabalho, Julianne, que interpreta a namorada do protagonista, tem a companhia e a parceria de Amanda Mirásci, amiga de longa data da atriz, no papel principal.

Julianne deve voltar aos palcos no final do ano com a peça "Uma Vida Boa" (Foto: Pino Gomes)

Julianne deve voltar aos palcos no final do ano com a peça “Uma Vida Boa” (Foto: Pino Gomes)

Ah, e Julianne Trevisol ainda tem mais amigos envolvidos neste projeto. Como a atriz nos contou, o responsável pela idealização do espetáculo é o ator Pablo Sanábio que, coincidentemente, foi companheiro de set da loura em “Totalmente Demais” (Rede Globo). “Foi ótimo fazer novela com o Pablo. Eu não sabia que era ele. Mas, quando ele chegou, nós estreitamos ainda mais os laços por conta dos personagens. Virou um amigo querido. É sempre muito bom e eu fico feliz em ver que a televisão também está abrindo espaço para a galera do teatro. Eu tenho a sensação que cada vez mais pessoas estão chegando. É muito bom poder crescer juntos em uma história de estudos e batalhas e compartilhar todas as áreas das artes cênicas possíveis para que a gente possa sempre estar se aprimorando e ajudando juntos”, argumentou.

Este slideshow necessita de JavaScript.

E, tratar de temas que fazem o público refletir em tempos de cóleras sociais não é tarefa fácil. Porém, como Julianne nos disse, a dificuldade anda ao lado da importância em abordar o assunto através da arte. “Eu acho que é muito necessário. Esse acontecimento que a gente conta é uma história real passada em 1993. Mas, quando começamos a estudar, vimos o quanto era atual e como comunicava com tudo o que está acontecendo e que está cada dia mais em foco. Da outra vez que estivemos em cartaz, que foi por cerca de um ano, a gente também tinha debates durante a temporada às quintas-feiras. E isso foi muito importante para a gente contar essa história e irmos aprendendo, conhecendo e mergulhando no tema. Eu acho que voltar é imprescindível nesse momento”, disse.

Para a atriz, é extremamente necessário discutir temas polêmicos que a peça aborda, como intolerância e liberdade (Foto: Reprodução)

Para a atriz, é extremamente necessário discutir os temas polêmicos que a peça aborda, como intolerância e liberdade (Foto: Reprodução)

Além de refletir e debater, a atriz ainda defendeu a possibilidade de termos dúvidas no posicionamento neste momento de crise. Segundo ela, hoje em dia, está muito difícil dar uma “opinião exata” sobre alguns temas. “Eu acho que a gente está em um momento muito confuso de tudo e, por isso, é muito mais legítimo que a gente tenha direito à dúvida. Nós precisamos disso e de ter os questionamentos necessários para que, em algum momento, a gente consiga às conclusões. É uma fase muito difícil de fechar ideias. Eu acho que é importante que a gente esteja atento a tudo o que está acontecendo, abrindo as ideias e ouvindo todos os lados dos diferentes acontecimentos. O principal disso tudo é a gente estar se vendo como ser humano e vendo como podemos melhorar. Eu acho que partindo de nós mesmos conseguimos mudar essa realidade”, opinou a atriz Julianne Trevisol.

Pesquisas relacionadas

, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,