Arte & Literatura

Em quase 300 páginas, Ana de Oliveira apresenta e expõe as opiniões do amigo de infância Gilberto Gil sobre diferentes temas

Para provocar a reflexão no artista homenageado, a autora convidou 14 pessoas para elaborar perguntas sobre os assuntos escolhidos pela própria Ana. "Eu tive a sensibilidade de escolher pessoas que tivessem alguma relação afetiva com ele e de admiração e ele acolheu todas as proposições"

Publicado em 25 de agosto de 2016 | Por Julia Pimentel

Os talentos artísticos de Gilberto Gil, ícone da cultura brasileira, já são conhecidos por todos. Mas, além da voz, das composições e do talento musical, o músico também é uma enciclopédia humana. Para popularizar os pensamentos de Gil, escritora e amiga do artista, Ana de Oliveira, lançou nessa terça-feira o livro “Disposições Amoráveis“. Nas quase 300 páginas de histórias e opiniões, Ana apresenta os pontos de vistas de Gilberto Gil em temáticas como política, espiritualidade, ciência, sustentabilidade e, claro, música. “A minha ideia era criar uma pensata, um livro que tivesse essencialmente o pensamento do Gil. Na minha opinião, ele como músico e compositor já era muito conhecido e celebrado. Mas faltava uma obra que ressaltasse o pensador, porque, ao longo de tantos anos de vida pública, ele se manifestou em assuntos muito diversos. A minha ideia com esse livro era, justamente, reunir o máximo de temas que ele já tinha comentado e juntar tudo em uma obra só”, explicou.

Ana de Oliveira no lançamento do livro "Disposições Amoráveis" no Rio de Janeiro (Foto: Julia Pimentel)

Ana de Oliveira no lançamento do livro “Disposições Amoráveis” no Rio de Janeiro (Foto: Julia Pimentel)

Para uma missão carregada de responsabilidade, Ana de Oliveira convidou outras 14 pessoas para ajudar a aperfeiçoar e completar o trabalho. Mas, como contou em entrevista ao HT, assim como os temas, os convidados também foram escolhidos por ela e sem interferência do amigo homenageado. “Eu convidei 14 pensadores, ativistas, artistas e intelectuais para fazerem questões para o Gil dentro desses temas que eu já havia estabelecido. Cada um formulou perguntas, eu passei para o Gil e ele ia calmamente respondendo a cada uma dessas questões. Foi um processo bem bonito. Eu tive a sensibilidade de escolher pessoas que tivessem alguma relação afetiva com ele e de admiração e ele acolheu todas as proposições. Todas as perguntas foram bem respondidas. A partir do momento em que ele aceitou fazer o projeto, ele não interferiu em nada, nem nos convidados e nem nos temas. Ele apenas respondia às questões”, relembrou a escritora que conhece Gilberto Gil “desde menina” lá da Bahia. “A gente já tinha uma relação de amizade e confiança. Um dia eu propus a ele esse livro e ele adorou a ideia”, completou.

Gil e a autora Ana de Oliveira (Foto: Reprodução)

Gil e a autora Ana de Oliveira (Foto: Reprodução)

Apesar da importância da obra para a literatura brasileira, Ana de Oliveira contou que não foi tão fácil por o projeto em prática. Mesmo com nomes como Luiz Inácio Lula da Silva, Fernando Henrique Cardoso, Jorge Mautner, Gal Gosta e Nelson Rodrigues falando sobre os pensamentos de Gilberto Gil, os recursos econômicos foram um obstáculo no projeto da escritora que demorou dois anos até a data de lançamento. “O maior desafio de quem realiza projeto cultural no Brasil é conseguir recursos financeiros. É um trabalho que, mesmo sendo dessa envergadura e tendo nomes tão importantes envolvidos, ainda foi muito difícil de realizar no sentido econômico”, pontuou Ana que lançou o livro pela sua editora, a Iyá Omin.

Capa do livro "Disposições Amoráveis" (Foto: Reprodução)

Capa do livro “Disposições Amoráveis” (Foto: Reprodução)

E, por falar na dificuldade existente em realizar projetos culturais no Brasil, a política foi um dos assuntos discutidos no livro. Porém, mesmo Gilberto Gil tendo sido Ministro da Cultura durante o governo Lula e a situação atual no cenário político brasileiro não estando muito calma, Ana de Oliveira garantiu que o homenageado argumentou sobre o tema da mesma forma. “O livro foi produzido em uma época que a situação não estava tão critica como hoje em dia. Mas nós abordamos todos os temas com muita tranqüilidade, transparência e sem nenhuma restrição. Nós falamos sobre tudo o que tinha que ser falado. Foi um processo bem leve e direto”, explicou a autora Ana de Oliveira sobre o livro “Disposições Amoráveis”.

Pesquisas relacionadas